Hospital Abelardo Santos faz ação no Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais

Hospital Abelardo Santos faz ação no Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais

28 de julho de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Programação para reforçar a prevenção e o controle das hepatites virais.

Dados da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) apontam que, no ano passado, o Pará notificou 441 casos de todos os tipos de hepatite. Este ano, um balanço parcial já registra 141 casos da doença em território paraense. A enfermidade age de forma silenciosa e pode ser traiçoeira quando não tratada corretamente e, precocemente, é o que alerta os especialistas.

No Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, neste 28 de julho, o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), no distrito de Icoaraci, em Belém, realizou uma programação para reforçar a prevenção e o controle das hepatites virais.

O Hospital informou que a ação ao longo desta quarta-feira (28) é alusiva também ao encerramento das atividades voltadas à Campanha Julho Amarelo, mês selecionado pelo calendário da Saúde, para o alerta às hepatites virais. O evento exclusivo aos 1.300 colaboradores da unidade, contou com palestras e testagens rápida.

A iniciativa teve como facilitadores a equipe da Liga Acadêmica de Cirurgia do Aparelho Digestivo (LACAD-PA). Na ocasião, os profissionais do Abelardo Santos tiveram a oportunidade de conhecer mais sobre os cinco tipos de hepatites virais, o diagnóstico, os tratamentos, e, sobretudo, as formas de prevenção.

“Após o diagnóstico é necessário ter acompanhamento de médico para descobrir em qual fase a doença se encontra e realizar exames complementares para checar se outros órgãos do corpo, além do fígado foram comprometidos, para que a pessoa possa começar o tratamento correto, que geralmente é medicamentoso e receber orientações importantes quanto a automedicação e o uso de álcool”, explicou o acadêmico de medicina, da Universidade Estadual do Pará (UEPA), Antônio Hugo Casas Magno, 21 anos.

Funcionários tiveram a oportunidade de conhecer mais sobre os cinco tipos de hepatites virais

Transmissão e Prevenção – O diretor técnico do Abelardo Santos, Paulo Henrique Ataíde, reforçou ainda que, as hepatites são classificadas em A,B,C,D,E, sendo a A e E, conhecidas como agudas; a B, C e D, crônicas.

“A transmissão das hepatites A e E podem ocorrer através de água e de alimentos contaminados, devido à falta ou pouca higienização. Já nas B, C e D, a transmissão acontece por meio de objetos perfurocortantes com sangue ou relações sexuais”, acrescentou o diretor técnico.

De acordo com Paulo Henrique Ataíde, para que a doença seja prevenida, é necessário ingerir somente água tratada, “lavar corretamente os alimentos antes de ingeri-los, não deixar as crianças brincarem próximas de esgotos e valas, lavar sempre as mãos após usar o banheiro, usar preservativo durante as relações sexuais e não compartilhar os objetos de uso pessoal com potencial de contaminação sanguínea, a exemplo do alicate de unha”, observou.

Ainda sobre a prevenção, há vacina para crianças de 15 meses a 5 anos incompletos e de Hepatite A, B e D para todas as idades.

Informação – Para a coordenadora de Enfermagem, Brenda Sousa, 36 anos, a palestra de alerta foi de fundamental importância para os colaboradores da assistência. “Como estamos na linha de frente e manipulamos perfurocortantes, esse tipo de conteúdo nos deixa conscientes dos riscos que nós e nossos colegas de trabalho estamos expostos, por isso, aqui no HRAS batemos na tecla do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e do descarte correto dos materiais”, frisou Brenda.

Quem também considerou as informações como fundamentais à saúde e ao trabalho, foi a técnica de enfermagem Natália Sena, 34. “Achei muito importante esse alerta, principalmente para nós que trabalhamos na área da saúde. Outra informação preciosa foi sobre os cuidados com a higienização dos alimentos que consumimos”, disse a técnica.

Foi oferecido teste rápido de hepatites virais

Programação – A iniciativa foi do Grupo de Humanização do HRAS, que mensalmente planeja de forma estratégicas ações como estas. “Nosso objetivo é construir um hospital com diretrizes humanizadas. Programações educativas, de alertas às doenças e, principalmente as que envolvem o bem estar dos colaboradores e usuários”, informou Anny Segóvia, coordenadora do setor.

“Datas como estas, que fazem parte do calendário do Ministério da Saúde (MS), são fundamentais para que a população se mantenha em alerta aos cuidados que devem ser tomados com a saúde para a prevenção de doenças. Como o HRAS não é referência no tratamento de hepatites, focamos nas programações do Julho Amarelo, aos nossos colaboradores que lidam diariamente com todos os tipos de usuários”, detalhou Marcos Silveira, diretor executivo do Abelardo Santos.

No Pará, o cidadão que quiser saber se possui ou não hepatite deve procurar os locais que servem para diagnóstico e tratamento da doença, como os Centros de Testagens e Aconselhamento (CTAS), vinculado às Secretarias Municipais de Saúde.

Saiba mais – Hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde de 2019, com o levantamento do período de 1998 a 2018 confirma 632.814 casos no Brasil. Dos anos 2000 a 2017, foram registrados 70.671 óbitos associados às hepatites virais.

Hepatite A: 167.108

Hepatite B: 233.027 (33.556 – REGIÃO NORTE)

Hepatite C: 228.695 (7.776 – REGIÃO NORTE)

Hepatite D: 3.984.

Texto de Roberta Paraense / HRAS

Fotos: Divulgação