Sespa alerta para baixa procura da vacina contra sarampo

Sespa alerta para baixa procura da vacina contra sarampo

6 de julho de 2021 Off Por Roberta Vilanova

A vacina tríplice vital protege contra sarampo,caxumba e rubéola

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) volta a alertar a população para que se vacine contra o sarampo por meio da aplicação da tríplice viral, que protege também contra a rubéola e a caxumba. A vacina está disponível para crianças de 6 meses de idade até adultos com 59 anos nas Unidades Básicas de Saúde dos 144 municípios paraenses de forma contínua, independente de campanhas.

O alerta é para evitar que casos da doença continuem aumentando no Pará. Somente de primeiro de janeiro a 30 de junho deste ano já chegam a 86 confirmações, das quais 75 em Afuá, município da ilha do Marajó. Ainda que a Secretaria já tenha desenvolvido várias frentes de mobilização para sensibilizar os municípios a intensificarem a vacinação contra a o sarampo, a baixa procura pela vacina segue como um fator preocupante.

Segundo a diretora de Epidemiologia da Sespa, Daniele Nunes, a vacina está disponível na rotina das salas de vacinação das Unidades Básicas de Saúde para todas as pessoas que ainda estão com o esquema vacinal incompleto.

As doses são ofertadas a partir de um ano de idade no calendário de vacinação da criança e a todas as faixas etárias. O ideal é que a pessoa tenha tomado, pelo menos, duas doses ao longo da vida. A orientação é voltada principalmente às pessoas de 20 a 29 anos, que representaram 39,5% do total de casos de sarampo já confirmados este ano. No Pará, a intensificação da campanha deste ano vigora até 27 de agosto.

Igualmente preocupantes também são as coberturas vacinais contra o sarampo registradas no Pará pela Divisão de Imunizações da Sespa. Em 2020, o índice a cobertura vacinal em crianças com até um ano ficou em 61,6%, mais baixa que em 2019, quando foi alcançado o índice de 82,81%. A meta anual é que esses índices cheguem a 95%.

Aos gestores municipais, a Sespa tem recomendado uma série de medidas para a população aderir mais às vacinas, como a ampliação de horários de atendimento nas Unidades Básicas; a realização de palestras para convencer os pais e responsáveis sobre a importância da imunização; avaliar as necessidades de vacinação durante as consultas clínicas, oferecer vacinas para aqueles que procuram uma unidade de saúde ou farmácia, fortalecer o conhecimento sobre as vacinas e combater a desinformação sobre imunização na internet e nas redes sociais.

Sinais e sintomas – O sarampo é uma doença infecciosa aguda viral transmitida pela tosse, fala, espirro ou respiração de pessoas doentes. A ocorrência de febre, por mais de três dias, após o aparecimento do exantema, é um sinal de alerta, indicando o aparecimento de complicações. As mais comuns são infecções respiratórias, otites, doenças diarreicas e neurológicas.

O paciente deve procurar atendimento médico logo que apresentar os primeiros sinais e sintomas da doença, para que seja feita a notificação do caso e a equipe de saúde possa agir para interromper a circulação do vírus entre as pessoas que tiveram contato com o doente.

Bebês com idade entre 6 e 11 meses precisam tomar a “dose zero” da vacina tríplice viral

Sobre a vacinação contra o sarampo, a Sespa orienta a aplicação da vacina tríplice viral por faixas etárias:

Vacina dose zero  – Bebês com idade entre 6 e 11 meses precisam tomar a “dose zero” da vacina tríplice viral e depois completar o esquema vacinal com mais duas doses.

Vacina dose 01 e dose 02  – Crianças com 1 ano de idade devem tomar a dose 01.

Crianças com 1 ano e 3 meses devem tomar a dose 02. Última dose por toda a vida. – Vacinas ao longo da vida

Crianças e adultos com idade entre 1 e 29 anos precisam ter tomado duas doses da vacina ao longo da vida.

Vacina para adultos  – Para adultos de 20 a 49 anos de idade, uma dose deve ser aplicada independentemente da situação vacinal ou de doença anterior.

Adultos com idade entre 30 e 59 anos precisam ter tomado pelo menos uma dose da vacina.

Vacina para profissional de saúde  – Todo profissional de saúde, independentemente da idade, precisa ter tomado duas doses da vacina.

Cartão de vacinação  – Quem não tem mais o cartão de vacinação, não lembra se tomou as doses ou não completou o esquema vacinal de acordo com a faixa etária, precisa procurar uma unidade de saúde para se vacinar.

Serviço: A vacina tríplice viral está disponível em todas as salas de vacina nas Unidades Básicas de Saúde.

Texto: Mozart Lira/Sespa
Fotos: Marco Santos/Ag. Pará