Abelardo Santos promove ação sobre direitos e desafios dos pais de bebês prematuros

Abelardo Santos promove ação sobre direitos e desafios dos pais de bebês prematuros

18 de novembro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Na região Norte, 14% dos partos ocorrem antes do tempo previsto

No Brasil, 11,7% de todos os partos ocorrem antes do tempo previsto. O índice ainda é mais preocupante na região Norte do país,  em que a incidência sobe para 14%. Os dados são do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e do Ministério da Saúde, e dão conta de uma deficiência no acesso à informação, educação, inclusão e os cuidados compartilhados em uma gravidez. Como forma de chamar atenção para o assunto e orientar os pais sobre os desafios de ter um bebê prematuro, o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), localizado no distrito de Icoaraci, ao longo deste mês está com ações de orientação aos seus usuários.

A iniciativa faz parte da campanha internacional Novembro Roxo, mês destinado para a sensibilização da sociedade sobre a prematuridade. Porém, é no dia 17, que se concentram as principais ações, por ser a data em que se comemora o Dia Mundial da Prematuridade. Dessa forma, na última quarta-feira (17), o dia foi dedicado à orientação dos pais de bebês prematuros. O evento, promovido pela equipe multiprofissional, ocorreu na sala de estar, no 4° andar, onde estão as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal da unidade. Na programação, foram abordados os desafios e os direitos das crianças prematuras, assim como os de suas famílias.

Atualmente, a maternidade do Abelardo Santos é a segunda maior do estado do Pará, com média de 130 partos por mês. A unidade, referência no atendimento obstétrico da Rede Estadual de Saúde Pública, conta, também, com o suporte de com 40 leitos voltados à recuperação dos bebês prematuros, divididos em UTIs e Unidades de Cuidados Intermediários (UCI).

“O HRAS mantém uma infraestrutura completa no atendimento obstétrico e neonatal. Temos um complexo com cinco salas de pré-parto, parto e pós-parto (PPPs), sendo uma delas, estruturada com uma banheira exclusiva aos procedimentos humanizados. Dentro dos UCI, aplicamos, ainda, o método dos cuidados intermediários Canguru, constituindo uma linha de cuidados progressivos. Esse paciente é cercado de particularidades, portanto, a família é indispensável nesta rede de apoio”, explica o diretor executivo do Abelardo Santos, Marcos Silveira.

Experiência – A assistente administrativo Yasmin Mendes, de 31 anos, ganhou o pequeno Lucas no dia 26 de setembro deste ano, quando ele ainda tinha 30 semanas. Até chegar ao HRAS a sua jornada não foi fácil. “Perdi dois bebês antes. E nesta minha terceira (gestação), fui perdendo líquido e quando vi meu bebê tão pequeno, confesso que pensei que ia perdê-lo também e chorei. Ele ficou na incubadora, ainda tão frágil “, suspirou.

Depois que a sua criança chegou, ainda permaneceu por oito dias internada no hospital, até receber a sua alta, mas o bebê precisou permanecer na unidade, onde está há quase dois meses. No início, ela se manteve isolada devido ao novo cenário, porém, com a ação, vê o quanto é importante compartilhar as experiências. “Temos sentimentos parecidos e queremos o melhor para os nossos bebês e falar sobre isso alivia a nossa dor”, observa.

Ivana do Rosário, 25 anos, passou por situação semelhante. A moradora do município de Bragança, no nordeste paraense, foi encaminhada para o HRAS com apenas cinco meses devido à perda de líquido e o coração acelerado do bebê. Vitor Calebe veio ao mundo no dia 12 de julho, pesando 780 gramas e a mãe o visita todos os dias. “Não é fácil essa situação, mas não podemos desistir. Essas ações nos estimulam a prosseguir e a continuar firmes. Agora, meu bebê está com 2.400 kg e já estamos chegando quase na reta final”, disse.

Equipe multiprofissional da UTI Neonatal no Dia Mundial da Prematuridade

Tema – Neste ano, a campanha alerta para o perigo do distanciamento dos pais e de suas crianças prematuras, e traz o seguinte tema: “Separação Zero”. O objetivo é dar visibilidade à importância da presença colaborativa dos pais nas Unidades Neonatais, tanto para a saúde dos genitores, como dos bebês.

A enfermeira Leyla Santiago Lopes, supervisora do Complexo Neonatal e UTI Pediátrica do HRAS, explicou que a iniciativa visa reforçar o tema da campanha aos usuários da unidade, por meio da roda de conversa mediada por profissionais de diversas especialidades: fisioterapia, assistência social, neonatologia, enfermagem e nutrição. “Vamos abordar a importância do contato precoce pele a pele entre os pais e seus bebês, a motivação da manutenção do vínculo, além do aleitamento materno e seus benefícios ao bebê”, destacou.

A especialista, ainda, ressalta que a prematuridade atinge milhões de crianças no mundo inteiro e em nosso estado não é diferente. “No Abelardo nós dispomos de duas UTIs Neonatal para atender essa demanda, sendo uma destinada aos prematuros que nascem aqui e outra que é para os bebês do interior, que vêm via regulação de leito”, acrescentou a supervisora do complexo.

Acolhimento – “O trabalho de conscientização e de informação é fundamental para a redução de intercorrências na saúde. Hoje, a maternidade do maior hospital público do Pará, que é o Abelardo Santos, vem se especializando em novas técnicas de acolhimento para as parturientes e para os bebês. No caso dos prematuros, há um trabalho voltado ao esclarecimento e acompanhamento da família, como parte do processo de recuperação dessa criança, como, por exemplo, o projeto ‘Pai Canguru”’, destacou o secretário de Estado de Saúde, Romulo Rodovalho.

Em julho deste ano, o hospital inaugurou da Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal Canguru (Ucinca), ampliou o setor e estendeu, no mês de agosto, ao pai a possibilidade de ficar com seu filho bem de perto, dentro da unidade, por meio do Projeto Papai Canguru, que permite o acompanhamento paterno no intervalo da amamentação ou por 24h auxiliando a mãe.

A posição canguru consiste em manter o recém-nascido de baixo peso em contato com a pele dos pais ou de outros familiares, na posição vertical, junto ao peito. A equipe de saúde deve estar adequadamente treinada para orientar de maneira segura os pais a realizar a manobra.

Legalização  – Os ambientes de atenção ao recém-nascido de risco foram reorganizados a partir da publicação da Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012, que “define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave, e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

A Portaria regulamenta os ambientes que compõem uma Unidade Neonatal, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin), Unidade de Cuidados Intermediários Convencional (Ucinco) e Unidade de Cuidados Intermediários Canguru (Ucinca), constituindo uma linha de cuidados progressivos ao recém-nascido.

Índices – Segundo a Unicef, a prematuridade é a principal causa de mortalidade infantil antes dos 5 anos de idade, no mundo todo. O Brasil é o 10º país no ranking global de partos prematuros, os quais ocasionam 10 vezes mais óbitos de crianças que o câncer, por exemplo. São 340 mil famílias passando pela experiência da prematuridade todo ano em território brasileiro.

O nascimento prematuro é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como aquele que ocorre antes de 37 semanas completas de gestação e pode ser subdividido em: prematuros extremos (<28 semanas), muito prematuros (28-31 semanas) e moderados (32-36 semanas de gestação).

Texto: Roberta Paraense/HRAS

Fotos: Divulgação