Abelardo Santos registra a marca de quase 1,7 mil partos no primeiro semestre de 2021

O HRAS conta com duas salas cirúrgicas exclusivas para a obstetrícia e cinco salas de PPPs (pré-parto, parto e pós-parto)

De janeiro a junho de 2021, a maternidade do Hospital Regional Dr. Abelardo Santos, no distrito de Icoaraci, em Belém, foi responsável pela realização de 1.687 partos, totalizando 1.715 procedimentos obstétricos. O complexo mantém atendimento porta-aberta 24 horas, recebendo, diariamente, gestantes de todo o Estado, sobretudo, da Região Metropolitana de Belém.

Referência na Rede Estadual de Saúde Pública em obstetrícia, a unidade conta com duas salas cirúrgicas exclusivas para a obstetrícia e cinco salas de PPPs (pré-parto, parto e pós-parto), sendo uma delas, estruturada com banheira, onde em ambas é trabalhado o parto de forma humanizada.

Desde maio deste ano, a maternidade do Abelardo Santos passa por um processo de reestruturação. A partir destas mudanças, houve um aumento de 27% nos números de procedimentos registrados no setor. O objetivo do Governo do Estado é fazer com que a megaestrutura da unidade, atenda  todas as necessidades das famílias, eternizando o momento do nascimento, através das técnicas e ações mais avançadas e humanizadas para os partos.

O secretário de Estado de Saúde, Romulo Rodovalho, observou o expressivo número de partos e procedimentos com satisfação devido a unidade estar cumprindo o seu papel, que é garantir serviços de saúde de qualidade à população. “Vamos continuar trabalhando para assegurar o melhor atendimento aos paraenses. A maternidade significa vida e esperança na rede de saúde. Não basta apenas fazer o parto, esse momento precisa ser eternizado, e para isso, é necessário um atendimento profissional e humanizado, como no Abelardo Santos”, finalizou o titular da Sespa.

Partos – Beatriz Sandra, de 21 anos, ganhou seu primeiro bebê no HRAS. Moradora do distrito de Icoaraci, ela teve a escolha de decidir como teria o seu filho, o pequeno João Gael, que nasceu com 3,525 quilos e 52 centímetros. “Foi a primeira vez que fui atendida no Abelardo Santos e graças a Deus correu tudo bem. Eles me explicaram tudo sobre o que ia acontecer na sala de parto, mas para a segurança do meu filho e minha, tive que passar por uma cesariana, que ocorreu tudo bem e não expôs o meu filho ao perigo”, contou. Ela ficou surpresa com o Projeto Árvore da Vida, o qual, através dele, recebeu o carimbo da placenta em uma folha de papel, como recordação deste momento.

A dona de casa, Tainá Alves de Araújo, não hesitou.  Quando soube das possibilidades proporcionadas pelo Hospital, logo pediu música. Junto com a equipe multiprofissional, ela se arriscou na coreografia do hit “E ela tá movimentando” para aliviar a tensão antes de dar à luz. “É muito bom se sentir ouvida e valorizada neste momento do parto”, disse a moradora do bairro Maracacuera, em Icoaraci. Em parto normal, teve uma menina, que chegou ao mundo saudável, pesando 2.778 quilos.

Brena Alves optou pelo parto dentro da banheira de água morna

Quem também aproveitou as possibilidades de parto do Abelardo Santos, foi a autônoma Brena Santana Alves. Para eternizar o momento, ela optou por dar à luz de sua filha, dentro da banheira de água morna. “Uma emoção estar aqui passando por esse momento de uma forma tão diferente do tradicional”, relatou.

Mudanças – Dentro das mudanças do acolhimento obstétrico, o Abelardo Santos passou a desenvolver um trabalho terapêutico antes, durante e depois do parto. Atualmente, a equipe multiprofissional, está preparada para fazer massagens para alívio das dores, exercícios com o uso de bolas suíça e dar banho com água morna. A unidade também promove a musicoterapia, danças antes da mulher dar à luz e, permite ainda, a presença de doulas.

O diretor executivo do Abelardo Santos, Marcos Silveira, elenca os benefícios da reestruturação. “Temos técnicas que passaram a serem aplicadas que são simples, mas trazem uma grande valorização para o parto. Priorizamos o protagonismo da mulher, sua segurança e de seu bebê, além do trabalho em equipe. A mulher tem o direito de participar de forma ativa das decisões deste processo, como a liberdade de se movimentar, de se alimentar e de escolher como ter o filho”, afirmou.

Escolha – A enfermeira obstétrica, Thalita Beltrão, supervisora do setor, explica que a equipe do Abelardo Santos é treinada para promover um parto seguro e com a garantia que as escolhas da mulher sejam atendidas. “A primeira opção é parto normal. No entanto, se tem uma avaliação médica do quadro da paciente para tomada de decisão e intervenção caso necessário. Também oferecemos tecnologias, sendo elas, os métodos não farmacológicos para alívio da dor, como banho com água morna, exercícios em bola suíça, barra de ling e musicoterapia, onde se pode usar a dança como ferramenta de relaxamento. O objetivo é uma assistência humanizada, de qualidade e tendo a mulher como protagonista desse momento”, observou a especialista.

Estrutura – O Centro Obstétrico conta com duas salas de cirurgias, para além das cesáreas, são realizados procedimentos como a laparotomia exploratória, curetagem e revisão de colo, por exemplo. “O atendimento é de livre demanda. Toda gestante que necessitar de atendimento médico de urgência pode vir à maternidade do Abelardo Santos, que será acolhida, com um atendimento humanizado e digno. Utilizamos as mais modernas evidências para uma excelente assistência obstétrica”, garantiu a obstetra Ana Cristina Sodré.

A maternidade do Abelardo Santos tem grande importância no Estado. Ela é a segunda maior do Pará.  Na unidade são feitos atendimentos de alto risco, por uma equipe composta de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas treinados constantemente para assistência rápida e eficiente.

Texto: Roberta Paraense/HRAS

Fotos: Divulgação

Você pode gostar...