Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Transtorno do Espectro Autista (TEA)

1.Prejuízos na comunicação social: dificuldades persistentes na comunicação verbal e não-verbal, linguagem idiossincrática, ecolálica ou repetitiva, ausência de brincadeiras de faz-de-conta

2. Dificuldades na interação social: dificuldade de se relacionar entre pares, prejuízos na reciprocidade social, falta do desejo espontâneo do compartilhamento, etc.

3. Atividades/interesses/comportamentos repetitivos, restritos e estereotipados: interesses, preocupação excessiva por partes de objetos, movimento motores repetitivos.

Quais são os sinais do TEA?

  • Pode não responder quando chamado;
  • Pode não estabelecer/manter contato visual;
  • Dificuldades na socialização;
  • Dificuldades em entender regras sociais;
  • Pode apresentar atrasos significativos na linguagem ou comunicação;
  • Apresentar repertórios de atividades restritas e repetitivas;
  • Podem apresentar estereotipias (ação repetitiva ou ritualística, proveniente do movimento, postura ou fala);
  • Comportamento hipoativo (demonstrar passividade incomum) ou hiperativo (demonstrar agitações excessivas);
  • Brincar disfuncional (utiliza os brinquedos sem a função primária). Ex: gosta de girar e ficar olhando as rodas dos carrinhos;
  • Interesses por rotinas rígidas e inflexíveis;
  • Pode apresentar dificuldades ou disfunções de processamento sensorial (funcionamento não adequado da informação sensorial ao sistema nervoso). Ex: não gostam de tocar em uma determinada textura, medo de altura, busca excessiva por movimentos, sensibilidade a sons, luzes, etc.

Potencialidades da pessoa com Autismo

A Lei Berenice Piana (Lei 12.764/2012) define a pessoa com Autismo como Pessoa com Deficiência. Assim, para as pessoas com Autismo também é aplicada a Lei Brasileira de Inclusão (Lei 13.145/2015). Esta Lei prevê:

Art. 14. O processo de habilitação e de reabilitação é um direito da pessoa com deficiência. Parágrafo único. O processo de habilitação e de reabilitação tem por objetivo o desenvolvimento de potencialidades, talentos, habilidades e aptidões físicas, cognitivas, sensoriais, psicossociais, atitudinais, profissionais e artísticas que contribuam para a conquista da autonomia da pessoa com deficiência e de sua participação social em igualdade de condições e oportunidades com as demais pessoas.

Este processo levará em consideração algumas diretrizes como diagnóstico e intervenção precoce, avaliação multidisciplinar baseada nas necessidades, habilidades e potencialidades da pessoa e a rede de suporte ou e assistência.
As pessoas com autismo apresentam uma variedade de dificuldades, mas, também, podem apresentar habilidades importantes a serem investigadas, estimuladas e aplicadas em contextos de trabalho, lazer, esportes, artes, e outras atividades humanas, estas incluem (entre outras):

  • ATENÇÃO AOS DETALHES
  • ABORDAGEM METÓDICA
  • HIPERFOCO
  • TENACIDADE E RESILIÊNCIA
  • HABILIDADES VISUAIS COMPLEXAS
  • ABSORVER E RETER FATOS
  • COMPROMETIMENTO A HORÁRIOS E PRAZOS
  • NOVAS ABORDAGENS
  • INTEGRIDADE
  • CRIATIVIDADE
  • ASSERTIVIDADE

Como evitar problemas de saúde que podem atingir cuidadores de pessoas com TEA?

Algumas condutas tornam-se indispensáveis para a manutenção da saúde física e psíquica dos cuidadores de pessoas com TEA. São elas:

  • PRATIQUE O AUTOCONHECIMENTO. Acolha os seus próprios sentimentos para que consiga colocar em prática habilidades importantes (resiliência, tomada de decisões, foco) para lidar com situações da vida;
  • SEJA FLEXÍVEL. Nem sempre você estará disponível, acordará bem ou conseguirá executar tudo previsto na sua rotina de cuidados, contratempos acontecem e não se culpe por isso;
  • BUSQUE UMA REDE DE APOIO. Muitas vezes não encontramos compreensão nas pessoas que temos vínculos já estabelecidos, por isso, é importante envolver-se em grupos de pessoas que compartilham das mesmas experiências, além do mais, podem ser fontes de orientações importantes, como serviços, profissionais e outras demandas;
  • INFORME-SE. Leia, pesquise e busque informações sobre o assunto, com discernimento e equilíbrio. A informação é bem vinda para nos auxiliar positivamente, sobrecarga de informações sobre o mesmo tema geram efeitos reversos em nossa organização mental;
  • TIRE UM TEMPO PARA SI. Isso não é egoísmo. Divida tarefas com outras pessoas, demore mais tempo no chuveiro, ouça sua música preferida, se envolva em atividades prazerosas, medite, fique sozinha, promova seu autocuidado, fuja da rotina, conheça um novo lugar. Sobretudo, viva!

Documentos Oficiais – Ministério da Saúde

Você sabia que existem dois documentos disponíveis que norteiam o processo de cuidado da pessoa com Transtorno do Espectro Autista no contexto do SUS?

O primeiro são as Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e o outro é a Linha de Cuidado para a Atenção às Pessoas com Transtornos do Espectro do Autismo e suas Famílias na Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde.

📎 Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista

📎 Linha de Cuidado para a Atenção às Pessoas com Transtornos do Espectro do Autismo e suas Famílias na Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde

Esses documentos orientam gestores, servidores e familiares sobre o processo de cuidado e apresentam a necessidade de articulações importantes entre à Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência e Rede de Atenção Psicossocial em prol de um atendimento efetivo e de qualidade para a pessoa com TEA e seus familiares.