No Dia do Hospital Público colaboradores e pacientes relatam a rotina no Abelardo Santos

No Dia do Hospital Público colaboradores e pacientes relatam a rotina no Abelardo Santos

2 de julho de 2021 Off Por Roberta Vilanova

São aproximadamente 1.500 usuários que entram no HRAS diariamente

O sol ainda nem raiou, quando o auxiliar de serviços gerais, Walmor Castro, acorda para iniciar suas atividades diárias. Às 5h30, ele sai de sua casa, no bairro da Terra-Firme, em Belém, para chegar ao trabalho, no Hospital Regional Dr. Abelardo Santos – HRAS, no distrito de Icoaraci, também na capital paraense. As 12h de plantão que vai encarar pela frente, na maior unidade hospitalar do Governo do Estado, é um desafio gratificante. “É uma experiência sem igual. Nunca tinha trabalhado na saúde, recebi a oportunidade há 1 ano e 4 meses, e, com ela, garanto meu sustento e aprendo muito, todos os dias”, garante.

A unidade porta aberta ao atendimento de pediatria e obstetrícia, não para. Ela funciona 24 horas – exclusiva a estas especialidades – para prestar um serviço de qualidade à população de todas as regiões do Pará. “Trabalhamos por escala realizando a limpeza dos setores para descontaminar o ambiente. Tudo feito com cuidado e carinho para o bem estar do usuário”, ressaltou Walmor.

Para atender aos pacientes e acompanhantes dos 340 leitos e em torno de 700 colaboradores, que estão diariamente no HRAS, é preparado uma média de 1.100 kg de alimentos dia.

Quem faz parte da equipe da cozinha é Bianca Batista, de 32 anos. Moradora do distrito de Outeiro, há 2 anos, ela desempenha a função com orgulho. “Trabalhamos em equipe e sintonia, pois o nosso processo envolve uma boa higienização, preparação e distribuição dos alimentos para todos, tudo na mesma cozinha”, explicou.

Acesso – Por dia, o fluxo de usuários, na unidade, também é intenso. São aproximadamente 1.500 usuários que entram para a realização de exames, consultas, cirurgias, internações e atendimentos de emergência na pediatria e obstetrícia. “O fluxo de carros e pessoas é constante. Checamos os documentos e direcionamos os pacientes para o seu destino de atendimento”, detalhou o controlador de acesso, Wando Castro, de 43 anos, que faz questão de recepcionar as pessoas, sempre com um sorriso no rosto.

Complexo Cirúrgico – Em sua infraestrutura, o Hospital construído em uma área de 28 mil m², localização estratégica da Região Metropolitana de Belém, conta com um Complexo Cirúrgico com seis salas operatórias, sete leitos de sala de Recuperação Pós Anestésica (RPA) e três salas de indução, além da Hemodinâmica. “O centro cirúrgico é um local de entrada e saída rápida de pacientes, por este motivo necessita de muita atenção”, diz a enfermeira Vera Nunes, 34 anos.

Foi no HRAS que ela recebeu sua primeira oportunidade de trabalho, e guarda com muito carinho as experiências vivenciadas na instituição. “A primeira cirurgia do Hospital foi no meu plantão, à época eu trabalhava no noturno, e era tudo novo para mim, por ser minha primeira experiência em centro cirúrgico. O procedimento (colecistectomia) foi um sucesso”, lembrou a enfermeira, que atua desde a inauguração da unidade.

Experiências – A moradora de Cachoeira do Arari, no Marajó, Maria do Carmo Avelar, de 57 anos, precisa passar por uma cirurgia nos rins. Ela relata a experiência vivenciada no HRAS, na primeira consulta. “Fui encaminhada do Hospital de Clínicas de Ananindeua, para um procedimento a laser. Fui bem atendida na portaria, na recepção, por todos. Nada a reclamar”, informou. Por dia, a unidade tem a capacidade de fazer 380 atendimentos ambulatoriais e 500 atendimentos de urgência e emergência.

A dona de casa Sheila Santos, 38 anos, recorreu à unidade em busca de atendimento no pronto-socorro pediátrico, o qual atende, em média, 80 crianças diariamente. “Minha filha estava, há três dias, com febre e vômito. Essa foi a primeira vez que passei aqui. Gostei muito do atendimento: rápido, logo que chegamos ela já foi atendida, fomos bem acolhidos e a alimentação estava boa também. Foi muito bom mesmo”, relatou a moradora de Ananindeua.

Parto – O Abelardo Santos faz parte da história da recepcionista Hiuliany da Cunha dos Santos, de 26 anos. “Foi um parto emocionante, com muito respeito e cuidado de toda a equipe. O atendimento humanizado, no final, ainda fomos presenteados com a pintura da placenta e ganhamos um Diploma de Nascimento. Nunca vi isso em uma instituição pública. Estão de parabéns”, agradece a mãe do pequeno Pyetro dos Santos Fonseca.

No ano de 2020 foram realizados 1572 partos normais e 1277 cesáreas, resultando em 2.849 partos neste mesmo ano, estando os meses de maio, junho e julho, daquele ano, com atendimentos obstétricos suspensos, em virtude da pandemia. Já em 2021, de janeiro até o mês vigente, tivemos 621 partos normais e 570 cesárias.

Reconhecimento – “No Dia do Hospital Público, o Abelardo Santos merece ser lembrado, sobretudo, pela sua complexidade a serviço da saúde pública. Atendendo quase 20 especialidades médicas e mais o pronto atendimento de obstetrícia e pediatria, a Unidade é uma Referência do Governo do Estado em uma instituição de média e alta complexidade, e ainda, pela capacidade fantástica no atendimento diário. Hoje, o HRAS é o maior hospital do Estado, sendo suporte para todas as regiões paraenses”, explicou Rômulo Rodovalho, secretário de Estado de Saúde Pública.

O diretor executivo do Abelardo Santos, Marcos Silveira, reforça o perfil do hospital, administrado pela Organização Social (OS) – Instituto Ambiental e Social da Amazônia (ISSAA). “A unidade de saúde tem 340 leitos de atendimentos hospitalares de alta e média complexidade, pronto socorro pediátrico e obstétrico, ambulatório, reabilitação e diagnóstico por imagens, referência em serviços de Terapia Intensiva adulto, pediátrico e neonatal, obstetrícia, urologia, vascular, neurocirurgia, hemodinâmica e hemodiálise”, destaca o gestor.

Para ter acesso aos ambulatórios e procedimentos especializados no HRAS, o paciente precisa ser encaminhado via Sistema de Regulação (Sisreg), ou seja, por meio de agendamento feito nas Unidades Municipais de Saúde, que realizam o primeiro atendimento clínico.

PERFIL DO HRAS 

Porta-aberta: Atendimento 24h, para urgência e emergência na pediatria e obstetrícia.

Especialidades: referência em serviços de Terapia Intensiva Adulto, pediátrico e neonatal, obstetrícia, clínica médica, urologia, vascular, neurocirurgia, hemodinâmica e hemodiálise.

Diagnósticos: Laboratório dispõe de 350 especificações e mantém a capacidade mensal de 40 mil. Por dia, são feitos, em média, 200 exames de imagens.
Ambulatório:  capacidade de 380 consultas diárias. Atendimentos às especialidades via Sistema de Regulação (Sisreg). Para clínica geral, a unidade dispõe de 1.000 consultas mensais, espontâneas, aos moradores dos distritos de Icoaraci, Outeiro e ilhas de Belém.

Infraestrutura: Inaugurado pelo Governador Hélder Barbalho, em setembro de 2019, a Unidade tem 340 leitos, entre clínicos, cirúrgicos, UCIs e UTIs adulto e infantil.

Texto: Roberta Paraense/HRAS