Poli Metropolitana mantém infraestrutura para tratar doenças de pele como a psoríase

Poli Metropolitana mantém infraestrutura para tratar doenças de pele como a psoríase

3 de novembro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Referência do Governo do Estado em diagnóstico, o centro disponibiliza, por mês, 900 consultas e 60 procedimentos dermatológicos, como biópsia

Ao disponibilizar exames laboratoriais, de imagem e os histopatológicos- análise microscópica de um tecido para a detecção de possíveis alterações ou lesões na pele-, a Policlínica Metropolitana do Pará, localizada em Belém, conta com uma infraestrutura completa para o rastreamento de diversas doenças dermatológicas, como, por exemplo, a psoríase que é autoimune, inflamatória e não contagiosa da pele, causando lesões avermelhadas em pessoas de todas as idades, com predominância, na faixa-etária entre os 20 a 40 anos.

Referência do Governo do Estado em diagnóstico, o centro disponibiliza, por mês, 900 consultas e 60 procedimentos dermatológicos, como biópsia.

“Os atendimentos nesta especialidade são voltados às pessoas com algum tipo de patologia na pele, como dermatite, vitiligo, escabiose e psoríase, por exemplo. Ou seja, nossos consultórios não são voltados para tratamentos estéticos”, observou Liliam Gomes, diretora executiva da Policlínica Metropolitana. Os atendimentos são para pacientes oriundos das unidades de atenção básica de saúde, através da regulação estadual ou por interconsultas, direcionadas aos pacientes que já fazem tratamentos na unidade com indicações para o atendimento especializado.

Atendimentos – A médica da Poli Metropolitana, Yandra Sherring Einecke, dermatologista, especialista em tricologia (doenças do couro cabeludo e pelos), ressalta que os atendimentos são para pessoas de todo o estado. “Temos uma predominância de moradores da região metropolitana e do interior. A maioria das patologias vistas na unidade corresponde a doenças infecciosas-contagiosas, inflamatórias e doenças autoimunes”, disse Yandra, que também é mestre em Saúde da Amazônia pelo Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Apesar de assustar, a psoríase é uma doença inflamatória da pele, considerada comum. “A patologia é caracterizada pela presença de manchas vermelhas com escamas secas e esbranquiçadas na superfície. Ela é mais comum nos cotovelos e joelhos, mas podem acometer a qualquer região do corpo, como a face, o couro cabeludo e as regiões genitais. Outras características observadas são as unhas grossas e descoladas e com puntiformes na superfície”, observou Yandra.

Para o diagnóstico, é preciso fazer biópsia de pele, exames laboratoriais e acompanhamento ambulatorial. A doença não é contagiosa e ainda não teve descoberta a sua cura.

O Ministério da Saúde alerta a população sobre a enfermidade. A mensagem principal da campanha é ressaltar as perspectivas de tratamento da psoríase para uma melhora na qualidade de vida dos pacientes.

A importância do diagnóstico correto e do acesso à informação – uma das principais armas para combater o preconceito, além do apoio de familiares e de pessoas próximas, são fundamentais para que o paciente aprenda a se cuidar e a gerenciar sua doença.

Para o titular da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sespa), Rômulo Rodovalho, o atendimento às especialidades da Poli Metropolitana para diagnosticar centenas de doenças é de grande relevância para uma rede de saúde estratégica. A Poli é uma referência diagnóstica no estado, e vem, com uma série de especialidades médicas e não médicas para atender o paraense, assim, o usuário do SUS pode chegar a um diagnóstico precoce tendo a possibilidade de um tratamento também precoce”, observou.

A maioria das patologias vistas na unidade corresponde a doenças infecciosas-contagiosas, inflamatórias e doenças autoimunes

Agendamento – Para as consultas com especialistas, elas são marcadas pela Unidade Básica de Saúde, através do Sistema de Regulação do Estado (SisReg). No dia e horário marcado, o paciente deve estar na Poli com ao menos 40 minutos de antecedência e com todos os documentos em mãos.

-Os agendamentos de exames e consultas dos Programas Triagem Pós-Covid e Pré-Operatório Rápido são feitos pelo WhatsApp (91) 98521-5110 ou pelo e-mail: agendamento.polimetropolitana@issaa.org.br

-Como funciona: Pelo WhatsApp, a marcação é eletrônica. A ferramenta o direciona para o canal correto de atendimento, através da digitação de um número correspondente ao serviço desejado. Na hora do agendamento, mantenha seus documentos em mãos, para inserir os dados solicitados pelo sistema no momento solicitado.

Texto: Roberta Paraense/HRAS

Fotos: Divulgação