Secretaria de Saúde do Pará apoia curso de Sala de Vacina no Contexto da Saúde Indígena

Secretaria de Saúde do Pará apoia curso de Sala de Vacina no Contexto da Saúde Indígena

21 de outubro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Conservação e Transporte de Vacinas foram tópicos abordados no curso

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) está apoiando a realização do Curso de Sala de Vacina no Contexto da Saúde Indígena, organizado pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan-Americana (Opas), que acontece na Escola Técnica do SUS Dr. Manuel Ayres (ETSUS).

Além de ceder o espaço da ETSUS para realização do curso, a Sespa, por meio do Departamento de Epidemiologia (Depi), disponibilizou os equipamentos de sala de vacina para a parte prática do treinamento.

O objetivo do curso, que começou dia 18 de outubro, é atualizar os profissionais de saúde das áreas indígenas, maioria enfermeiros, sobre as técnicas de imunização e fortalecer as práticas de vacinação segura e de qualidade nas aldeias indígenas.

Profissionais recebem orientação sobre descarte de agulhas e seringas

Segundo a diretora do Depi, Daniele Nunes, as salas de vacina ficam em áreas de difícil acesso, onde é alto o risco de as vacinas ficarem inativadas. “Daí a importância do curso para orientar os profissionais a manterem a qualidade dos imunobiológicos a serem ofertados à população indígena”, comentou.

Esse é o quarto treinamento realizado no Brasil e sempre ocorre nos estados onde existem Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). No Pará, está sendo ministrado pelas enfermeiras e instrutoras da Opas, Evelin Plácido e Marisângela Dutra.

De acordo com Evelin Plácido, o treinamento conta com a participação de 23 enfermeiros e técnicos em enfermagem que atuam nas equipes multidisciplinares de Saúde Indígena e dois técnicos da Coordenação Estadual de Imunizações da Sespa.

“Estamos abordando todos os aspectos teóricos e práticos da operacionalização das ações de imunização no território indígena com toda a sua especificidade, considerando este cenário bastante diferente do contexto dos municípios, como, por exemplo, ter acesso à energia elétrica e a outros suportes logísticos e tecnológicos. Então, estamos preparando esses profissionais para atuarem nesses contextos com qualidade e segurança”, explicou a enfermeira Evelin Plácido.

Equipamentos e Insumos utilizados no treinamento

Conteúdo – Com duração de cinco dias, o curso aborda, entre outros, os seguintes tópicos: Breve Histórico da Vacinação e os Povos Indígenas, Bases Imunobiológicas e Conceitos Fundamentais de Vacinas e Imunização; Implicações Práticas da Vacinação e Calendários de Vacinação, Esquema Vacinal (associação entre idade, dose, intervalo, reforços e tipos de vacina) e Oportunização – Vigilância em Saúde; Técnicas de Aplicação de Imunobiológicos; Eventos Adversos Pós-Vacinação, Conservação e Transporte de Vacinas (o caminho que a vacina percorre da produção até a aldeia), Avaliação da Cobertura Vacinal, Homogeneidade e Eficácia Vacinal. Os aspectos culturais que envolvem o processo de vacinação no contexto indígena serão abordados em todos os temas no decorrer das discussões.

Texto: Roberta Vilanova/Sespa
Fotos: Divulgação