Abelardo Santos faz cirurgia endovascular para tratar caso raro de múltiplos aneurismas

Abelardo Santos faz cirurgia endovascular para tratar caso raro de múltiplos aneurismas

22 de junho de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Após nove horas de cirurgia no HRAS, o caminhoneiro Cleverson Gonçalves livrou-se de aneurisma raro

Referência do Governo do Estado em cirurgia de alta complexidade, nos meses de março, abril e maio, o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos – HRAS, localizado em Icoaraci, distrito de Belém, realizou 83 intervenções invasivas na Hemodinâmica da unidade. Nesta segunda-feira (21), mais um procedimento endovascular inédito foi feito neste setor do hospital. A alternativa menos invasiva teve duas etapas: a correção de um aneurisma na aorta abdominal e o tratamento das outras dilações das paredes dos vasos da artéria femoral esquerda, caso considerado raro pela medicina.

Após quase 9 horas na sala cirúrgica, o motorista de caminhão Cleverson Gonçalves, de 61 anos, deve escrever uma nova história. Com fortes dores nas pernas há três anos, Cleverson teve de, gradativamente, se afastar de suas atividades para iniciar um tratamento de saúde.

“Ele começou a sentir um inchaço no membro esquerdo. Então, procurou um médico que disse que ele estaria com uma trombose venosa”, relembra a filha do paciente Raíza Preza. “Ele tomou os remédios, mas o valor do tratamento era muito alto, então relaxou”, acrescenta.

As dores foram minimizando-se, até que no início deste ano, o incômodo ficou mais intenso. “A médica da UPA (Unidade Básica de Saúde) disse que deveríamos procurar um hospital de alta complexidade e iniciar um tratamento com urgência”, diz Raíza. “E assim, em Marituba, descobrimos que não se tratava de uma trombose, mas de aneurisma na artéria”, explica. Com o diagnóstico preciso, o caminhoneiro aposentado por invalidez foi internado no Abelardo Santos, até a cirurgia. Com poucas palavras antes do procedimento, ele falou apenas “estar confiante em Deus e na equipe médica”.

TRATAMENTO – Os procedimentos endovasculares utilizam métodos menos invasivos que os convencionais e a melhor recuperação dos pacientes. Um cateter é introduzido por um vaso periférico numa pequena incisão, direcionando-o à artéria doente, para fazer a correção. “Essa cirurgia foi para corrigir um aneurisma na aorta abdominal, uma doença degenerativa da parede do vaso. Essa artéria é uma das mais importantes do corpo, pois leva o sangue para todo o tórax, abdome e membros inferiores”, detalha o cirurgião vascular, Bruno Antunes, responsável pelo procedimento.

O especialista também explica que a cirurgia foi realizada por etapas. “Primeiro foi tratado o aneurisma da artéria ilíaca interna, e, logo depois, teve a correção do aneurisma da aorta e da femoral esquerda. É muito difícil ver um caso assim, com múltiplos aneurismas”, ressalta Antunes.

DOENÇA  – O coordenador da clínica médica do Abelardo Santos, Rafael Rochel, esclarece que o aneurisma é uma degeneração da parede das artérias (vasos que levam o sangue do coração aos órgãos) causando dilatação e afinamento das paredes, chegando a maior fragilidade destes vasos e riscos de sangramento interno.

“Já a aorta é a principal artéria do corpo, sai diretamente do coração e se divide em outras até chegar em todos os órgãos, logo se vê a importância desse procedimento. A cirurgia realizada é sobre a correção dessa doença por meio de uma técnica bastante avançada: a correção endovascular, que utiliza métodos menos invasivos que os convencionais”, reforça.

HEMODINÂMICA – A hemodinâmica do Abelardo Santos se propõe a realizar exames diagnósticos e intervenções terapêuticas por meio de radiologia cardiovascular, usualmente recorrendo a cateteres e injeções de contraste. Supervisora do complexo cirúrgico do hospital, a enfermeira Núbia Cardoso garante ainda que, no setor, são realizados procedimentos terapêuticos como angioplastia, drenagens e embolizações terapêuticas.

“A hemodinâmica é utilizada para tratamentos mais delicados, ligados às especialidades de neuro e vascular. Neste procedimento, por exemplo, contamos com três médicos cirurgiões, três anestesistas, com duas enfermeiras e três técnicos de enfermagem”, elenca.

Para o secretário de Saúde do Estado, Rômulo Rodovalho, o Hospital Abelardo Santos vem proporcionando a realização de procedimentos endovasculares fantásticos. “Com uma hemodinâmica altamente tecnológica e uma equipe multiprofissional altamente preparada, a unidade hospitalar já é uma referência do Governo do Estado no segmento que, em muitos casos, são intervenções que não têm cobertura pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e, tampouco, na rede privada, por serem considerados tratamentos caros e de material de ponta”, observa o titular da pasta.

Diretor do Abelardo Santos, Marcos Silveira diz que trabalho é intenso para atender à demanda reprimida por causa da Covid-19

O diretor executivo do Abelardo Santos, Marcos Silveira, lembra que os procedimentos eletivos da neurocirurgia e da cirurgia vascular e endovascular, ficaram suspensos durante o período em que o HRAS atendeu exclusivamente aos pacientes de Covid-19.

“Estamos trabalhando incansavelmente para que o fluxo que ficou represado durante a segunda onda da pandemia no Estado, escoe de forma célere e assertiva. As cirurgias foram retomadas no dia 18 de abril. Apenas os procedimentos de urgência dessas especialidades foram realizados”, pondera o gestor.

 

Texto: Roberta Paraense/HRAS

Fotos: Divulgação