Atendimentos eletivos atingem a média de 3.400 consultas no Abelardo Santos

Atendimentos eletivos atingem a média de 3.400 consultas no Abelardo Santos

4 de novembro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

HRAS disponibiliza 12 especialidades médicas ambulatoriais

Com a retomada das consultas eletivas e do fluxo normal dos atendimentos ambulatoriais, a média deste serviço no Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), no distrito de Icoaraci, em Belém, atingiu a marca de 3.391 pessoas atendidas mensalmente na unidade. Os índices são do terceiro trimestre de 2021. Em julho, foram registradas 3.402, seguido por 3.485, em agosto e de 3.287, em setembro, período com pequena queda, em função do feriado prolongado da Independência do Brasil. Com atendimentos regulados pela Rede Estadual de Saúde, o maior Hospital do Público do 12 especialidades médicas ambulatoriais.

Com um perfil de média e alta complexidade, o Regional tem sido estratégico, por meio do seu ambulatório de especialidades, no trabalho de prevenção, diagnóstico e no tratamento dos paraenses. “Com o avanço da imunização contra a Covid-19, a flexibilização das atividades e a baixa nos registros da doença no estado, a população passa a ter mais segurança de ir nos hospitais e procurar atendimento médico. Com a pandemia, muitos procedimentos foram adiados, tivemos serviços cancelados em toda a rede, e com essa retomada, já percebemos uma demanda significativa na procura por tratamentos nas unidades hospitalares”, enfatizou Romulo Rodovalho, secretário estadual de Saúde.

Confiança – Há seis meses, a dona de casa, Albélia Lima, de 35 anos, percebeu uma pequena elevação no seu couro cabeludo. Com o passar do tempo, a massa foi crescendo, e, no mês passado, procurou ajuda médica em uma unidade básica de saúde, onde foi encaminhada ao Abelardo Santos. “Não dói, não tem cheiro, mas incomoda quando toco na minha cabeça. Com a Covid-19, evitei sair de casa e, principalmente, ir nos hospitais. No Abelardo o atendimento é bom, bem organizado. O clínico geral me encaminhou para o neurologista e passou exames”, comentou a moradora do bairro da Marambaia.

Quem também evitou procurar atendimento hospitalar com receio da Covid-19, foi Marcelo Alves Neto, de 59 anos. Hipertenso, diabético e cardiopata, ele evitava qualquer contato fora de casa. O autônomo tem fortes dores nos membros inferiores e ainda não descobriu a causa. “Os pés e as pernas incham, doem, geralmente, no meio da noite. Tomo remédio para dor, aplico um gel com folhas naturais e passa. Mas, tempo depois volta. Fui ao clínico, e agora estou indo ao vascular. O médico me passou exames de laboratórios e o eletrocardiograma. Atendimento de primeira”, parabenizou o usuário.

Atendimentos – Administrado pelo Instituto Mais Saúde em parceria com a Sespa, o Hospital Abelardo Santos é público e mantém os atendimentos no ambulatório organizados para manter o distanciamento social e a comodidade dos usuários. “Temos um espaço grande, que nos proporciona colocar cadeiras na parte externa do prédio. Os ambulatórios são higienizados com frequência, é disponibilizado álcool em gel e exigimos o uso de máscaras, tudo para garantia da segurança do nosso paciente”, disse a supervisora do setor, Arlene Pessoa. “Agora temos um serviço de pós-consulta, cujo todo paciente ao sair do consultório passa por orientações sobre os encaminhamentos recebidos. Nosso objetivo é humanizar o atendimento e deixar o paciente orientado sobre o que é necessário fazer após a consulta médica”, completou Arlene Pessoa.

Infraestrutura – O diretor executivo do Abelardo Santos, Marcos Silveira, observa que a infraestrutura da unidade é favorável com a diminuição dos riscos de contágio. “Paramos de atender pacientes com covid-19 no final do mês de maio, porém, as unidades de internação, os consultórios, as recepções, todos os locais passam por um processo de desinfecção diário e várias vezes ao dia. Temos uma área de mais de 28 mil m², com consultórios, observações, sala para procedimentos cirúrgicos, salas de exames e 340 leitos de internação. Temos área de deambulação para os pacientes internados, toda uma infraestrutura para a segurança e o conforto dos nossos usuários”, detalhou Marcos Silveira.

O ambulatório do HRAS conta com profissionais da cardiologia, urologia, cirurgia pediátrica, cirurgia torácica, cirurgia vascular, clínica médica, ginecologia, mastologia, nefrologia, neurocirurgia, neurocoluna e neurovascular, atendendo nos consultórios. Estes pacientes chegam à unidade, através da Central de Regulação do Estado.

Texto: Roberta Paraense/HRAS

Fotos: Divulgação