Hospital de Campanha, no Hangar, participa de atividades do ‘Setembro Amarelo’

Hospital de Campanha, no Hangar, participa de atividades do ‘Setembro Amarelo’

10 de setembro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Uma roda de conversa também fez parte da programação realizada no Hospital de Campanha

No mês dedicado à campanha “Setembro Amarelo”, que incentiva a conscientização para prevenção ao suicídio, o Hospital de Campanha de Belém, instalado no Hangar – Centro de Convenções, participa do debate sobre o tema e oferece suporte aos pacientes e profissionais de saúde que atuam na unidade. Por meio do Projeto Floresça, realizado nos dias 09 e 10 de setembro, a unidade realizou dinâmicas, rodas de conversa e palestras sobre a campanha, ajudando a promover cuidados com saúde física e mental aos pacientes em tratamento contra a Covid-19 no Hospital. A atividade também contou com a participação dos funcionários, que enfrentam as dificuldades decorrentes da pandemia.

“Muitos profissionais de saúde também estão longe de seus entes queridos, fator que pode levar a transtornos psicológicos, como a depressão”, informou a psicóloga Thayná Montenegro. Segundo ela, oferecer alternativas e ouvir essas pessoas é um caminho para a prevenção. “É importante contribuir para que esses profissionais falem sobre as experiências deles acerca de tudo o que estamos vivenciando. Dar voz aos sentimentos que temos e que, geralmente, são silenciados por medo ou simplesmente por não ter quem ouça, é um dos objetivos principais da ação e de extrema importância”, concluiu.

Entre os profissionais que participaram da atividade estava a enfermeira do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), Brenda Ramos. Para ela, acolhimento e escuta são as palavras que traduzem a ação dentro da unidade. “Eu me senti bem por saber que posso contar com outros colegas que também dividem a missão do cuidar do outro. Para mim, é uma felicidade estar aqui dentro”, afirmou.

Pacientes e funcionários foram envolvidos na programação de conscientização sobre o tema

Sentimentos – Com os pacientes foi realizada atividade para expressar sentimentos. Diversas placas com imagens e frases foram apresentadas, e eles tiveram que escolher qual sensação melhor correspondia ao tempo do tratamento, e também agora. O objetivo foi identificar medos, anseios e dúvidas.

A paciente Katiane Paiva, 30 anos, oriunda de Barcarena, município do Baixo Tocantins, está internada há 17 dias na unidade hospitalar. Ela definiu o início do tratamento como cansativo, mas agora expressa gratidão. “Se não fossem essas pessoas, esses profissionais, com certeza, eu nem suportaria estar aqui. O início é angustiante porque envolve o medo de morrer, a saudade dos filhos e a ansiedade de ver tudo isso passando. A esperança se fortalece quando nos deparamos com esse cuidado desses profissionais. Sou gratidão!”, disse Katiane Paiva.

Campanha – Em 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), criou a Campanha Setembro Amarelo, devido aos altos índices de casos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada quatro segundos uma pessoa comete suicídio no planeta. A morte voluntária é a segunda maior causa de óbitos de jovens e mulheres, entre 15 e 29 anos, sendo a terceira causa entre os homens. Os dados ainda apontam que 79% dos casos se concentram em países de baixa e média renda. Assim, o objetivo da campanha é prevenir e reduzir esses números. Para isso, diversas empresas, públicas e privadas, desenvolvem ações de prevenção.

‘Salvar vidas’ – Para o secretário de Estado de Saúde Pública, Rômulo Rodovalho, a iniciativa do Hospital de Campanha de abordar o tema é louvável, visto que somente com informações corretas é possível lutar para prevenir o suicídio. “Precisamos informar a todos como ajudar, porque agir salva vidas”, reiterou.

Para prevenir e evitar casos, o secretário defendeu a necessidade de toda a sociedade, escolas e unidades de saúde estejam alertas e preparadas para reconhecer sinais e tomar as devidas providências, com rapidez e segurança.

Instalado pelo Governo do Pará e gerenciado pela Pró-Saúde, o Hospital de Campanha, no Hangar, é o maior do Estado dedicado ao tratamento exclusivo de pacientes com a Covid-19. Mais de 7 mil pessoas já foram atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Do total, 338 foram transferidos, 4.884 receberam alta e 2.044 não resistiram à doença.

Texto: Alberto Dergan/Hospital de Campanha

Fotos: Divulgação