Policlínica Itinerante do Hangar ultrapassa a marca de 40 mil atendimentos

Policlínica Itinerante do Hangar ultrapassa a marca de 40 mil atendimentos

16 de julho de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Paciente Rian Martins em atendimento

Desde a abertura da Policlínica Itinerante do Hangar, em Belém, no dia 31 de outubro de 2020, até esta quinta-feira (15),  já foram realizados 41.321 mil atendimentos para pessoas com sintomas leves e moderados de Covid-19. Ao todo, mais de 115 mil atendimentos já foram realizados nas policlínicas de Belém e interior.

O titular da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Rômulo Rodovalho, afirma que a Poli localizada no Hangar – Centro de Convenções é a unidade itinerante com o maior período de atendimento à população paraense durante a pandemia.

“Atender mais de 40 mil pessoas, sem interrupção das atividades, mostra a importância desse serviço. Mesmo com a recente mudança para bandeiramento verde na Região Metropolitana de Belém, é essencial que as pessoas continuem as medidas de prevenção e, caso tenham sintomas leves ou moderados de Covid, procurem a poli do Hangar para atendimento”, destaca. A unidade segue disponível, mesmo com o baixo risco do novo bandeiramento nas Regiões Metropolitana de Belém I e II.

Enfermeiro Gabriel Azevedo

O enfermeiro Gabriel de Azevedo, coordenador da Poli Itinerante do Hangar, afirma que a média de atendimentos na unidade vem reduzindo conforme o avanço da vacinação no Estado. De 300 pacientes atendidos por dia, a unidade passou a atender entre 100 a 150 pessoas diariamente.

“Constatamos uma redução, de fato, do número de atendimento, mas precisamos entender que a pandemia não acabou. A nossa orientação é que todos se vacinem e mantenham todos os cuidados de prevenção, como o uso de máscara, álcool em gel, distanciamento social. Evitem aglomeração”, alerta o coordenador. Confira outras recomendações dos órgãos de Saúde para a imunização efetiva.

Coleta de amostra para exame de RT-PCR

Acolhimento – Ao sentir dor no corpo, febre, falta de ar e coriza, o músico Rian Martins, 26 anos, procurou, na manhã desta sexta-feira (16), a Policlínica Itinerante do Hangar para atendimento. “Meus amigos me indicaram para vir aqui, porque receberam um atendimento de referência. E realmente o atendimento me surpreendeu positivamente. Os recepcionistas até os médicos foram muito receptivos, foi tudo muito rápido e eu consegui fazer o exame RT-PCR e continuarei o tratamento em casa”, explica.

A unidade oferece serviços de triagem, com a avaliação da equipe de enfermagem, por meio da verificação de sinais vitais, pressão arterial, temperatura e oxigenação. Consultas médicas e exames para diagnóstico da Covid-19 também são disponibilizadas, assim como a dispensação de medicamentos, de acordo com prescrição médica.

O agente de portaria, Nadilson Teixeira, começou a apresentar febre, dor na garganta e tosse seca enquanto estava trabalhando, no período noturno. Ao término do expediente, procurou atendimento na unidade do Hangar. “Foi muito bom o acolhimento, todos muito atenciosos, querendo nos acalmar, porque a gente já chega nervoso e com medo. Foi tudo muito tranquilo”, afirma.

Nadilson Teixeira

Na manhã desta sexta-feira (16), Nadilson foi pegar o resultado do exame e ler a palavra ‘negativo’ trouxe um alívio inexplicável. “Recebi a primeira dose da vacina em junho e preciso reforçar que é muito importante que todas as pessoas busquem a imunização. Esse resultado traz paz, mas, como todos, preciso manter, com responsabilidade, os cuidados de prevenção contra essa doença”, assegura.

Para ser atendido na Policlínica do Hangar, o paciente, com sintomas leves e moderados da doença, não precisa de encaminhamento: basta levar um documento de identificação oficial. Caso apresente sintomas mais severos, como falta de ar, a recomendação é que busque imediatamente atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e prontos-socorros.

Policlínica do Hangar – Em 2020, a Policlínica do Hangar começou a funcionar no dia 1º de julho e manteve atividade até 31 de agosto, quando a região passou para o bandeiramento amarelo. Em outubro do mesmo ano, diante das informações epidemiológicas e por alguns hospitais privados terem tido a necessidade da abertura de leitos, o governo estadual, no dia 31 daquele mês, retomou os atendimentos, de forma estratégica.

O serviço conta com a capacidade de realizar até 300 atendimentos por dia e funciona das 8 às 17 horas, de segunda a sexta-feira, e aos sábados, das 8 às 13 horas.

Texto: Giovanna Abreu/Secom
Fotos: Marcelo Seabra/Ag. Pará